quinta-feira, 21 de abril de 2016

A Experiência da Mesa

Estive em Brasília na 7ª Conferencia Modeladas - Livres E Poderosas 2015, e mais uma vez ouvi sobre esta Palavra com a Preletora Devi Titus, uma pastora americanha linda e sábia.
A 1ª foi no Congresso de Mulheres Diante do Trono em Belo Horizonte - MG.

A procurei no Youtube pois quis que minha familia a ouvisse também, e tirasse suas conclusões e experiencias.

Espero que vocês a vejam e que permita que o Espirito Santo as toque sobre isso, abra seu coração e aperte o play.


Caso você prefira o livro...


Bjksss....Graça e Paz

Resistência, Transferência e Contra Transferência

Mais um trabalho meu de Psicanálise que libero para vocês....


A Resistencia, a Transferência e a Contra Transferência são conceitos fundamentais para a psicanálise. Este trabalho tem por objetivo revisar os principais pontos de cada um destes fundamentos que estão presentes em diversos textos de Freud.
A palavra “resistência”, na psicanalise, toma um sentido singular merecendo o status de conceito central. As “resistencias” são repetições de defesa realizadas pelo paciente em sua vida que age através do ego. A Resistencia é um mecanismo inconsciente ligado à parte do eu regida pelo prinicipio da realidade, que procura saidas contra a invasao dos elementos indesejáveis provenientes do proprio inconsciente e dos recalques, isto é, quanto mais pressionado o eu, mais fortemente o paciente desenvolve e se apega a resistencia. Ela é uma atitude de oposição às descobertas do analista, atrapalha o trabalho terapeutico, pois funciona como uma barreira na elucidação dos sintomas e na evolução do tratamento.
A transferencia, assim como a Contra transferencia, sofreram modificações conceituais no decorrer da obra de Freud, a teoria da transferenmcia se articula necessariamente com a da contratransferemncia. A “transferencia” aparece do contato emocional do paciente com a situação analitica.
Freud dizia que o dominio deste assunto era consequencia das experiencias nos atendimentos na clinica e da propria analise do analista, tida por ele como “necessidade fundamental”.

1.     Compreendendo a Resistência
A primeira vez que este termo foi usado, foi no relato do caso clinico da Sr.ª Elizabeth Von R, Freud escreve o seguinte: “No curso desse difícil trabalho, comecei atribuir maior importância a resistência oferecida pela paciente na reprodução de suas lembranças”. (FREUD. 1893-1895. p.178).
No livro “Hipnotismo”, Freud menciona a resistência como obstáculo para a hipnose e afirma que “sempre que surge uma intensa resistência contra o uso da hipnose, devemos renunciar ao método e esperar que o paciente, sob a influência de outras informações, aceite a ideia de ser hipnotizado”. (FREUD. 1891-1987. p.125)
Freud pode verificar que as recordações esquecidas não haviam se perdido, mas mantinham-se detidas por uma força que, denominou resistência. Neste momento, encontramos o “ponto de virada” do método catártico para o método psicanalítico, essa “virada”, se completa com a publicação de “A Interpretação do Sonho”, quando se notam que o conceito de recalcamento adquire posicionamento mais preciso através da distinção entre inconsciente e consciente, ambos entendidos como sendo sistemas psíquicos (TOMASELLI.s.d.). Ele pensava que a causa da resistência era a ameaça ao aparecimento de ideias e lembranças desagradáveis, que haviam sido reprimidas, para evitar a dor, mas que se mantinham na memoria, e acontecia para evitar dor, vergonha, culpa.
Freud foi abandonando as técnicas de hipnose, e passou a investir na livre associação do paciente, sem constrangimento, sem culpa, sem criticas, rumo à criação da própria psicanalise.
De acordo com Conedera (2009), Freud complementa sua exposição dividindo-as em cinco tipos.

2.     Tipos de Resistências
São cinco tipos de resistências que procedem de três direções: do ego, do ID e do superego. (CONEDERA. 2009)
2.1                    Resistência do Ego – é a fonte de três, cada uma diferindo em sua natureza dinâmica: a resistência da repressão, a resistência da transferência e a resistência do ganho secundário.
2.1.1               Resistencia da Repressão – que poderia ser considerada a manifestação clinica da necessidade do individuo de se defender de impulsos, recordações e sentimentos que, se emergissem na consciência. Causariam um estado de sofrimento ou ameaçariam causar tal estado.
2.1.2               Resistencia da Transferência – semelhante resistência da repressão, possui a qualidade de, ao mesmo tempo em que a exprime, também faz refletir a luta contra impulsos infantis que, sob forma indireta ou modificada, emergiram em relação á pessoa do analista.
2.1.3               Resistencia do ganho secundário – que deriva do ganho resultante da doença. Embora, inicialmente, o sintoma possa ser sentido como corpo estranho e indesejável, pode ocorrer, e muitas vezes ocorrem, um processo de assimilação do sintoma na organização psicológica do individuo.
Segundo Freud, “O ego passa agora a comportar-se como se reconhecesse que o sintoma tivesse vindo pra ficar, e a única coisa a fazer é aceitar a situação, sem afligir-se, e tirar dela a maior vantagem possível” (FREUD.1926).
Esses ganhos secundários oriundos dos sintomas são bem conhecidos sob a forma de vantagens e gratificações obtidas da condição de estar doente e de ser cuidado ou ser objeto de compadecimento dos outros, ou sob a forma de gratificação de impulsos agressivos vingativos para com aqueles que são obrigados a compartilhar o sofrimento do paciente.
2.2                    Resistencia do ID – esta necessita de elaboração, devido à resistência dos impulsos instintuais a qualquer modificação no seu modo e na sua forma de expressão.
2.3                    Resistencia do Superego – está enraizada no sentimento de culpa do paciente ou na sua necessidade de punição. Freud considerava esta resistência como a mais difícil de analisar, discernir e abordar, pois ela reflete a ação de um “sentimento inconsciente de culpa” e é responsável pela reação aparentemente paradoxal do paciente a todo passo que, na analise, represente a materialização de um ou outro impulso que vão se defendendo pressionados pela consciência moral.
Mesmo assim, Freud descreveu os tipos e fontes das resistências da seguinte maneira: “Não se deve supor que essas correções nos proporcionem um levantamento completo de todas as espécies de resistência encontradas na analise. A investigação ulterior do assunto revela que o analista tem de combater nada menos que cinco espécies de resistência, que emanam de três direções – o ego, o ID e o superego” (FREUD.1926).
            Existe uma forte relação entre resistência e recalque, a resistência mantém a ideia incompatível fora da consciência, portanto, mantem a ideia recalcada. O conceito de recalque se apresentou a teoria psicanalítica por meio do fenômeno da resistência , que aparece com o abandono da hipnose.
A resistência pode ser considerada, com relação ao recalque, a manifestação exterior desse mecanismo de defesa, cuja função é manter fora da consciência uma repressão ameaçadora. Quanto mais o trabalho analítico se aproxima de uma representação recalcada, maior e mais intensa é a resistência contra esse trabalho. (VENTURA, 2009)
Freud chega a conclusão de que todo pensamento recalcado são desejos e que este sim, sofrem recalque. São desejos que de alguma maneira não podem se realizar e por isso, são recalcados. O desejo fica retido no paciente, e assim, o sujeito não tinha conhecimento dele, era um desejo não reconhecido como próprio, um desejo inconsciente. (MACHADO, 2003)

3.     Transferência
Termo usado pela primeira vez por Freud em 1895, como uma forma de resistência, um obstáculo no processo analítico. Porém foi em 1912 que ele publicou a primeira obra dedicada, exclusivamente à transferência, intitulada “A Dinâmica da Transferência” na qual ele explica que ela não se deve ao tratamento psicanalítico, mas é devido a neurose, explica que se a necessidade de amar de um individuo não é totalmente satisfeita pela realidade, ele irá se aproximar de cada pessoa que conhecer, por isso, para Freud, a transferência é um dos elementos fundamentais para caracterizar o método do tratamento analítico.
Freud conceitualiza a transferência ao afirmar que “Transferências são reedições, reduções das reações e fantasias que, durante o avanço da análise, costumam despertar-se e tornar-se conscientes, mas com a característica de substituir uma pessoa anterior pela pessoa do medico. Dito de outra maneira: toda uma serie de experiências psíquicas previas é revivida, não como algo do passado, mas como um vinculo atual com a pessoa do medico. Algumas são simples reimpressões, reedições inalteradas. Outras se fazem com mais arte: passam por uma moderação do seu conteúdo, uma sublimação. São. Portanto, edições revistas, e não mais reimpressões.” (FREUD, 1969, vol.7, p.109)
Segundo Laplanche e Pontalis, a transferência é entendida como: O processo pelo qual desejos inconscientes se atualizam sobre determinados objetos no quadro de um certo tipo de relação estabelecida com ele e, eminentemente, no quadro da situação analítica.
A transferência é o deslocamento do objeto interno (feridas, perdas de amor e etc.) para a figura do analista, ou seja, o paciente vê no analista o objeto interno e passa a nutrir por ele os mesmos sentimentos que nutria pelo objeto no passado, é necessário que seja observada tanto pelo analista quanto pelo analisando, mesmo porque, a transferência poder ser positiva ou negativa, isto é, pode ser fonte de progresso ou de resistência, pois ela vem pra satisfazer as necessidades inconscientes do analisando.
A transferência é uma condição para que o tratamento ocorra, isto é, sem a transferência não existe êxito no tratamento analítico, inclusive, essa transferência é esperada e desejada pelo analista, pois sua presença permite a descoberta, bem como a compreensão, das fantasias do inconsciente do analisando.

4.     Tipos de Transferências
São três tipos de transferências, descritas por Freud em 1912: a negativa, a erótica e a positiva. Sendo que a negativa e a erótica eram as que traziam dificuldade no processo terapêutico, enquanto a positiva auxiliava.
4.1                    Transferência Negativa – é a transferência de sentimentos hostis, podendo representar também uma forma de defesa contra o aparecimento da transferência positiva, podendo coexistir com ela.
4.2                    Transferência Erótica – é a transferência de amor, quando o analisando diz estar apaixonado pelo analista. O foco das sessões será o amor que o analisando entende ou exige que deva ser retribuído. O analisando acaba resistindo a analise e coloca suas defesas em pratica para não se lembrar de ou admitir certas situações passadas.
4.3                    Transferência Positiva – é a transferência de sentimentos de simpatia e afetividade conscientes e também inconscientes, sendo este ultimo de natureza erótica.
Freud escreve o seguinte “Transferência positiva é ainda divisível em transferência de sentimentos amistosos ou afetuosos, que são admissíveis à consciência, e transferência de prolongamentos desses sentimentos no inconsciente.” (FREUD.vol.12, 1912, p.140)
            Freud também escreve que “Cada associação isolada, cada ato da pessoa em tratamento tem de levar em conta a resistência e representa uma conciliação entre as forças que estão lutando no sentido do restabelecimento e as que se lhe opõe, já descritos por mim.” (FREUD.vol.12, 1912, p.115)
            As transferências positivas e negativas precisam coexistir, esta é a condição para o tratamento psicanalítico. Freud aponta que nas psiconeuroses, sentimentos afetuosos e hostis, conscientes e inconscientes, ocorrem lado a lado e são dirigidos simultaneamente

5.     Contra Transferência
Embora tenha reconhecido a sua existência e a necessidade de mantê-la sob rigoroso controle, Freud não deixou nenhum estudo sistematizado sobre a contratransferência.
No trabalho de 1912, Freud conclui que o médico tenta compelir o paciente a ajustar seus impulsos emocionais ao tratamento e a história da sua vida, submetendo-os a consideração intelectual e a compreendê-los à luz de seus valores psíquicos, e que “esta luta, entre o medico e o paciente, entre o intelecto e a vida instintual, entre a compreensão e a procura da ação, é travada, quase exclusivamente nos fenômenos de transferência.”
Assim como a transferência, a contratransferência também foi vista como uma manifestação indesejável, algo inadequado, um obstáculo a ser vencido no tratamento, o conceito de contratransferência foi introduzido por Freud que o definiu da seguinte maneira “surge no medico como resultado da influencia que exerce o paciente sobre os seus sentimentos inconscientes”. (FREUD, 1969. P.125)
Ele ainda completa “nos sentimos quase inclinados a insistir em que ele deve reconhecer estar contratransferência existente em si mesmo e superá-la.” (FREUD, 1969. P.125)
Segundo Laplanche e Pontalis (2001) o fenômeno da contratransferência se ampliou depois de Freud, principalmente à medida que o tratamento foi sendo compreendido enquanto uma relação e também com a expansão da psicanalise a novos campos, a analise de pacientes psicóticos e de crianças, onde as reações inconscientes do analista podiam ser mais solicitadas.
Posteriormente, Freud percebeu o valor da contratransferência e recomendava o seguinte “o analista deve voltar seu próprio inconsciente como um órgão receptor para o inconsciente transmissor do paciente, de modo que o inconsciente do medico possa, a partir dos derivados do inconsciente que se comunicam reconstruir o inconsciente do paciente.” (FREUD, 1969. P.149)
A contratransferência é um conjunto de sentimentos do analista em relação ao analisando. A reação emocional do analista às projeções do analisando é um instrumento a ser compreendido pelo analista, que para ser usado, o analista deve ser capaz de controlar os sentimentos que nele foram despertados, ao invés de, como faz o analisando, descarrega-los. Ela pode ser estimulada pelas projeções do analisando, inclusive, por seus componentes de transferência.
O analista pode, inconscientemente, exprimir suas projeções amorosas ou hostis não resolvidas e ele pode reagir à transferência com a contratransferência negativa, motivo pelo qual tem que ser eliminados mediante analise didática. A analise didática é imprescindível a qualquer psicanalista, para este ser tratado e fugir dos perigos da contratransferência negativa.

 CONCLUSÃO
            De acordo com o estudo realizado, pude aprender que a resistência, a transferência e a contra transferência são conceitos centrais na compreensão da relação terapêutica nas diversas vertentes da psicanalise. A resistência é um obstáculo ao processo analítico e ao mesmo tempo possibilita o curso do tratamento, é um mecanismo de defesa que aparece na tentativa do analisando encobrir ou proteger-se de lembranças dolorosas ou como uma repetição de uma relação passada.
A transferência foi sendo reconhecida por Freud, a medida que os pacientes repetiam na sua vida a relação com o analista aquilo que já haviam vivido na infância com outras pessoas.
A contratransferência é a mais controversa e complexa até hoje, apesar de ser algo, muitas vezes, inevitável, por isso a necessidade de se manter o terapeuta em constante tratamento.

 BIBLIOGRAFIA
CONEDERA, A. C. E-book – Psicanálise e Saúde mental: A análise do sujeito psicótico na instituição psiquiátrica – São Luís/MA – EDUFMA, 2009 – www.dominiopublico.gov.br
FREUD, S. – Estudos sobre a histeria (1893-1895) – Obras psicológicas completas de Sigmund Freud – Edição: Standard Brasileira, Rio de Janeiro – Imago, 1996. Vol.II
FREUD, S. – Resistencia e repressão (1917) – Conferencia XIX – Conferencias Introdutórias Sobre Psicanalise – ESB 2ª Edição. Vol. XVI, 1987.
FREUD, S. – Inibições, sintomas e ansiedade (1926) – Um estudo autobiográfico, Rio de janeiro – Imago, 1996.
TOMASELLI, T. – Freud e o Conceito de Recalcamento – www.redepsi.com.br
FREUD, S. – A Dinâmica da Transferência (1912) – www.fundamentalpsychopathology.org
FREUD, S. – As perspectivas futuras da terapêutica psicanalítica – Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, Rio de Janeiro – Imago, 1969. Vol. 11.
LAPLANCHE, J. E PONTALIS, J.B. (2001) – Vocabulário de Psicanalise, São Paulo www.centropsicanalise.com.br
Robert. Priscila F. P. – Agressividade e transferência na clinica Psicanalítica: De Freud a Winnincott. – www.fundamentalpsychopathology.org
ROUDINESCO, Elisabeth e PLON, Michel – Dicionário de Psicanálise – Editora Zahar – 4ª revisão de 1998.
VENTURA, R.- Os paradoxos do conceito de resistência: do mesmo a diferença. – Estudo Psicanal., Belo Horizonte, n.32, nov. 2009 www.pepsic.bvsalud.org
Machado, O.M.O. – Freudiano e o gozo 2003 – www.ebp.org.br


quarta-feira, 13 de abril de 2016

Faça você mesmo...#04

Mais um faça você mesmo com idéias baratas ....

Me lembro que na minha casa, quando pequena, minha mãe tinha um vidro (maionese) cheio de botões para repor nas roupas.......hoje se tenho 1/2 duzia é muito, mas caso você ainda tenha em casa, e percebe que não usa os batoes do tal vidro...não os jogue fora...olha que ideias ótimas:

- Almofada
Não quer mais a almofada lisa?
Fácil!
* Escolha uma letra ou um símbolo, 
* risque com lápis grafite na capa da almofada,
* preencha com botões.

Escolha a cor que combine com o tecido, uma que de realmente um contraste ou tudo colorido.
Fica bonito, caso tenha que comprar mais botões, eles são bem baratos.
Divirta-se !
 - Jarra de vidro
Uma simpática jarrinha, ou quem sabe, um vidro de maionese ou palmito que iria para o lixo.
Com esta ideia dá para fazer até castiçal.
* vidro,
* botões,
e imaginação.

Pode até usar cola branca ou cola de bijouterias e colar os botões por dentro do vidro, eu usaria flores artificiais, hoje, temos flores de excelente qualidade, dura mais e quando quiser mudar a cara troque as flores por outras, lave a que tirou, deixe secar bem e as guarde em papel de seda até seu proximo exercício de criatividade.

- Quadrinhos
Você vai precisar de:
* telas para pintura, são bem baratinhas,
* pedaços de tecido de sua preferencia,
* cola quente ou aquele grampeador de artesanato,
* botoes.

Forre a telinha e com lápis grafite escreva as letras que quiser, eles usaram a palavra LOVE, achei lindo!
Cole os botões no tecido ou pregue-os com agulha e linha e está pronto!

Gosto, para esse tipo de artesanato, de usar a "CHITA" um tecido de algodão baratíssimo e coloridíssimo, a cara do Brasil, que você encontra em qualquer loja de tecido.

Até para as almofadas eu usaria este tecido, pelas cores e pelo preço.

Bem, espero que gostem...

Bjkssss....Graça e Paz!!!

Imagens: WEB

domingo, 10 de abril de 2016

Sinceridade

Meu devocional da semana foi sobre sinceridade...

A palavra sincero vem de uma palavra do latim que significa "sem cera", e no grego "testado pelo sol".
Nos tempos bíblicos os mercadores vendiam porcelanas finas de grande valor, ás vezes, quando eram colocadas no forno, apareciam rachaduras, então, os mercadores  desonestos espalhavam uma cera perolada sobre as rachaduras, fazendo-as passar por vasos, porcelanas sem defeito algum. O truque ou jeitinho, só poderia ser descoberto se as peças fossem erguidas contra a luz do sol.
Os mercadores honestos marcavam suas porcelanas com os dizeres "sine cera", isto é, sem cera.
Eis um retrato da verdadeira sinceridade: sem truques, sem hipocrisia, sem mascara, sem rachadura, sem defeitos ocultos para serem encobertos.
Aí a gente olha ao redor e pergunta.....
Como faço para viver assim?
Mantendo seus olhos em Cristo, e não nos cristão!
Paulo escreveu  (Ef 4.1) que devemos viver de maneira digna da vocação que recebemos, ele estava em prisão domiciliar em Roma, no entanto não via a si mesmo como um prisioneiro dos Romanos, ele se via como prisioneiro de Jesus, um escravo voluntario, em total submissão ao Senhor.
Ele estava cativo ao Senhor, não pensava e nem falava em outra coisa, se levantava todas as manhas determinado em agradá-lo, claro que como todos nós, tinha dias que não se sabia bem, mas no dia seguinte, ele estava de pé com a mesma intenção.
A sinceridade de Paulo não se baseava em seguir regras religiosas ou em aparência.
A sinceridade de Paulo se baseava em um relacionamento de amor profundo com Cristo, porque o amor de Cristo o governava (2 Co 5.14).

Agora como estamos?
O que tem sido principal em nossos assuntos?
Será que nos preocupamos mais com a trava no olho do vizinho do que com a remela do nosso?
Temos agido com hipocrisia?
Estamos vivendo uma vida de aparência? 
Aparento ser benção mas vou ao culto por obrigação?
Minha sinceridade está baseada em regras ou em verdade?
Meu relacionamento com Cristo é profundo ou só acontece quando preciso dEle?

Quem somos é você quando ninguém está vendo?

Que tenhamos franqueza em nosso caráter.

Bjksss....Graça e Paz!!!

domingo, 3 de abril de 2016

Aprenda a enfrentar oposições!

Meu devocional de hoje foi sobre oposição.
Temos que amadurecer e aprender a enfrentar as oposições!
Não podemos ser imaturos em achar que as pessoas são obrigadas a nos aceitar incondicionalmente, isso não existe, nem Jesus conseguiu isso, imagina a gente?
Precisamos amar o próximo, isto é, não desejar mau a ninguém, mas temos nossos limites e opiniões que nem sempre são iguais a do próximo.

Josué 1:5 diz - Ninguém conseguirá resistir a você todos os dias da sua vida

Mas também não existe lei no mundo que obrigue as pessoas a dizer "amém" pra você, então amadureça.
Les Parrott (Fundador de um centro para ajudar pessoas a construir relacionamentos saudáveis e Psicólogo em Seattle - EUA) escreveu um livro "Relacionamentos" onde identifica os seguintes tipos de opositores:
* Os Críticos - os que sempre reclamam e dão conselhos indesejáveis.
* Os Mártires - aqueles que sempre são vítimas, pessoas afundadas em auto piedade ou autocomiseração, as quais o universo conspira contra elas em tudo. Os coitados!
* Os Baldes de Água Fria -   os pessimistas de carteirinha e sempre negativos com tudo.
* Os Rolos Compressores - os que são insensiveis as necessidades alheias, são hedonistas (se pra eles está bom, o resto se vira)
* Os Fofoqueiros - aqueles que não sabem guardar segredo e espalham até o que ouvem.
* Os Controladores Compulsivos - são incapazes de deixar as coisas aconteceres, tudo manipula.
* Os Falsos - os famosos 2 caras.
* Os Monstros - são os invejosos que querem o que é seu ou não querem que você tenha.
* Os Vulcões - são os de pavio curto, estão sempre a pronto de entrar em erupção por qualquer coisas.
* Os Esponjas - carentes de carteirinha mas não sabem ceder nada a ninguém, tudo é deles.
* Os Competidores - aqueles que mantem registros atualizados de quem fez o quê, para ele fazer melhor, não por excelência de atitudes mas para serem vistos.

Precisamos "ser fortes", pois pessoas de sucesso não são obrigatoriamente as mais dotadas, são apenas as mais apaixonadas pelo que fazem e o fazem com excelência aquilo que foram levantadas para fazer.
Responde aí:
Pelo que você ora?
Pelo que você chora?
Com o que você sonha?
O que você almeja?
Está disposto a arriscar o que para ser excelente?
Responda e veja onde você está focado, em você ou na opinião dos opositores?

Somos o que a Biblia diz que somos!
É daí que você vai criar estrategias, quando passar por adversidades, quando os outros te decepcionarem, quando o trabalho paracer arduo e interminavel e você se sentir pequeno demais.

Não espere valor ou exaltação dos outros, espere em Deus.
Não se preocupe com a opinião dos outros, procure agradar a Deus pois 1 com Ele é maioria, seja sensato!
Deixa de ser imaturo.....opinião não é obrigação!

Bjksss......Graça e Paz!!!


GLAMBOX - Drogaria São Paulo - Março 2016


A Glambox - Drogaria São Paulo lacrou de tão boa que veio, produtos maravilhosos, marcas excelentes, um bom gosto incrível.


O site é este, http://www.drogariasaopaulo.com.br/ e são mais de 14 mil produtos de perfumaria, higiene e medicamentos.

A caixa azul com esses florais está fofissima, mais uma pra coleção, e quando abri...quase caí dura de tão cheia que veio.

Maravilhosa GlamBox....

Vamos aos produtos:

1 - Nivea Sun
Protetor Solar Facial Diário
Tudo da Nivea é nota 10, esse protetor tem textura não oleosa, controla o brilho, previne o envelhecimento da pele e tem FPS 60.
Embalagem de 7ml - amostra gratis
Não testa em animais

2 - Hidraporin
Loção Hidratante
Não conhecia esta marca, mas o produto promete hidratação intensa, cheiro bom demais e é hipoalergênico.
Emabalagem de 20g - amostra grátis

3 - Esmalte Cremoso Risque
Cor: Malícia
Adoro os esmaltes da Risque pois são duradouros, tem cores lindas, são hipoalergenicos e não testam em animais.
Embalagem de 8ml - full size
Não testa em animais!!

4 - Lenço Suave
Kleenex Classic
Sao triplos e muito mavios, em cada comodo da casa tenho uma caixa de lenço de papel, acho utilíssimo e na bolsa renho sempre também.
Emalagem com 10 lenços - full size


5 - Rub Relief
Protetor Adesivo em Tiras
Dr Scholl's
Muito prático, amei, pode ser usado em qualquer parte do calçado que a esteja incomodando, adere firmemente, não sai quando a gente anda, pode ser removido sem danificar o calçado, não precisa de tesoura, vem tracejado é só recortar com a mão.
É feito com espuma de EVA adesivado.
Embalagem com 1,9 x 76cm - full size

6 - Desodorante anti-oxidante
Johnson's
Promete 75h de proteção, perfume delicioso de algodão (cotton Power)
Embalagem 50ml - full size 

7 - Creme para pernas
Varicell
Um creme que elimina dores, cansaço,inchaço e a sensação de peso nas pernas, melhora a circulação e a aparencia das pernas.
Não é oleoso e absorve raído...amei.
Embalagem de 30g - amostra gratis

8 - Creme Hidratante para Rugas e Linhas de Expressão
Cicatrimed
Gosto ddos produtos da Nutracom, esse é formulado com extratos especiais que melhora o aspecto da pele. Indicado para rosto, pescoço e colo.
Embalagem 60g - full size


8 - Desodorante para os pés - jato seco
Vodol Prevent
Elimina os odores da transpiração, mantém os pes secos.
Embalagem 50ml - amostra gratis

9 - Bepantol Derma
Spray
Para restaurar a hidratação de pele e cabelos, sem corantes, sem álcool e sem perfume.
Bepantol é tudo de bom qm qualquer versão.
Embalagem de 50ml - full size

10 - Color Shine - Ativador de Brilho
OX Vitamins
Produto sem sulfato (não agride os fios) e com complexo de vitaminas E e B2 e filtro solar.
Pode ser usado com os cabelos secos ou úmidos.
Ideal para cabelos coloridos ou com mechas.
Embalagem 100ml - full size
Não testa em animais!!

11 - Imecap Hair
Essa linha de tratamento da IMECAP é boa demais, já usei uma caixa com 60 cápsulas que foi ótimo pro meu cabelo. Esses comprimidos evitam a queda de cabelo, aumenta o volume, estimula o crescimento, age na raiz dos cabelos e no bulbo capilar.
A Imecap também tem tratamento para pele.
Embalagem com 15 cápsulas - amostra gratis

12 - Película para Unhas
Zalike
Esses adesivos são maravilhosos e duram até 1 semana nas unhas, são lindos e quabram um galhão, o dia que não dá para fazer as unhas e o esmalte não está legal é só colar e são remkovidos com removedor de esmaltes ou acetona.
Embalagem com 1 cartela - full size

13 - Cenoura & Bronze
Com protetor solar 30. Não pego sol de jeito nenhum mas meu filho e marido amam então uso demais esses protetores aqui em casa.
Sachê com 10ml - amostra gratis


14 - Elseve Supreme Control 4D
L'Oreal
Shampoo e condicionador que atua em 4 dimensões nos cabelos: controla o volume, o frizz, fios rebeldes e o efeito armado.
A Eslseve é boa demais.
Sachê com 10ml - amostra grátis

15 - Color Reflect
Amend
A Amend é boa demais também, essa mascara reconstrutora promete reparas a estrutura e blindar a cor dos cabelos. Sua fórmula tem proteínas do arroz e filtro solar.
Sachê de 10ml - amostra grátis

Amei a caixa e os produtos.....
Sei que algumas não testam em animais, só compro produtos que não testam e não fazem uso de ingredientes de origem animal, os outros não sei!

Bjksss....Graça e Paz!!!

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Faça você mesmo.... #03

Olá... mais um post de decoração barata, rápida e sem sujeira.

Quantas vezes a gente enjoa de uma parede ou móvel, mas como a grana está curta, a gente acaba ficando insatisfeita e largando de lado ou gastando muito mais em busca de solução.

Existe no mercado "fitas adesivas decorativas", é o nosso velho durex colorido ou estampado...

Lindinhos né?

Tem Kit com 15 a 20 fitas que variam de R$ 18 a 25,00

Olha só 3 idéias maravilhosas:
Mesa de estudo ou trabalho de cara nova.

Pra quebrar o branco essas listras coloridas deram o toque que faltava

Um Hall de entrada renovado e charmoso
O legal é que, quando você quiser mudar a decoração, é só trocar as fitas..

Gostou?

Bjksss...Graça e Paz!!!